POSTER 14 – “RESCUE” TROMBÓLISE EM DOENTES COM TROMBOEMBOLIA PULMONAR SOB RIVAROXABANO”

Ana Vera(1);Rui Baptista(1);Patrícia Alves(1);Sílvia Monteiro(1);Francisco Gonçalves(1);Mariano Pego(1)
(1) Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

INTRODUÇÃO:
O tromboembolismo venoso (TEV) é 3ª doença cardiovascular mais frequente com uma incidência anual de 100-200 por 100 0000. A abordagem terapêutica do TEV sofreu profundas alterações nos últimos anos, em virtude da introdução dos novos anticoagulantes orais (NOACs). A evidência na literatura sobre a utilização de NOACs e trombólise é ainda muito escassa.Pretendemos um série de 2 casos de doentes admitidos por TEP de risco intermédio alto, em que se iniciou ACO com um NOAC e com necessidade de “recue” trombolise por evolução clinica desfavoravel.

Caso 1
Doente de 56 anos, género feminino. Admitida na Unidade de cuidados intensivos coronários (UCIC) por TEP de risco intermédio alto [sPESI=1, TnI 0,110 (N<0,056); BNP398,9 (N<100), EcoTT:VD alargado com hipocinésia relativa do segmento basal e médio]. Iniciou ACO com Rivaroxabano 15 mg 2id. A doente evoluiu desfavoravelmente, tendo iniciado fibrinólise com alteplase com excelente resposta e sem registos de complicações. Teve ao 6º dia de internamento sob ACO com Rivaroxabano no esquema recomendado.

Caso 2
Homem de 74 anos. Admitido na UCIC com o diagnostico de TEP de risco intermédio alto [sPESI=2, troponina I0.160, BNP1182, VD dilatado, com movimento paradoxal do SIV, TAPSE 14mm, PSAP 120 mmHg]. Iniciou ACO com Rivaroxabano 15 mg 2id. Ao 3º dia de internamento o doente apresentou agravamento clinico e gasimetrico. Iniciou trombolise com alteplase, com excelente resposta clinica e analítica, sem registo de complicações hemorrágicas. ALta ao 8º dia de internamento com varfarina.

DISCUSSÃO:
Os resultados dos ensaios clínicos com NOACS mostraram não inferioridade (em termos de eficácia) e possivelmente maior segurança ( risco de hemorragia major) em relação ao regime standard Heparina/antagonistas da vitamina K. De acordo com a estratificação de risco proposta pelas Guidelines da ESC, doentes com TEP em que o ecoTT mostre sinais de disfunção VD, elevação das troponinas são classificados num grupo de risco intermédio alto. A trombolise, como terapêutica de reperfusão primária pode prevenir a descompensação hemodinâmica e colapso nestes doentes, contudo este benefício é contrabalançado por um elevado risco de eventos hemorrágicos major. Deste modo, a trombólise não está recomendada como terapêutica de primeira linha em doentes de risco intermédio alto, mas deve ser considerada se surgiram sinais de descompensação hemodinâmica. Apenas recentemente a combinação de NOACs e trombólise tem sido reportada, em virtude de todos os estudos com NOACs terem excluído doentes submetidos a trombólise.

CONCLUSÃO:
Os autores apresentam uma serie de 2 casos de Tromboembolia pulmonar de risco intermédio alto em que foi iniciada anticoagulação oral com um dos novos anticoagulantes orais, tendo sido usada “rescue” trombólise.

para fazer download do poster clique aqui

Login

Lembrar


Criar novo registo

Lost Password

NOVO REGISTO