ANTICOAGULAÇÃO ORAL NA PRÁTICA CLÍNICA

CURSOS
barra

anticoagulacao-oral

3 módulos | 09 minutos e 25 segundos

As grandes limitações dos Antivitamínicos K
Pedro Marques da Silva
Os Antivitamínicos K são fármacos eficazes capazes de interferir na síntese hepática do fatores de coagulação dependentes da vitamina K, mas que apresentam limitações por todos nós conhecidas.
Limitações que derivam do seu lento início de ação, da sua farmacocinética e farmacodinamia complexa, que sua  longa semivida e do indice terapêutico estreito derivado das múltiplas interações reconhecidas.

NOACs, como se diferenciam dos AVK?
Ricardo Fontes de Carvalho
Nos últimos anos, os novos anticoagulantes orais têm vindo a revolucionar a forma como tratamos a fibrilhação auricular e a forma como prevenimos e tratamos o tromboembolismo venoso e a trombose venosa profunda.

“Switch” dos AVKs para os NOACs. Como fazer?
Tiago Gregório
O primeiro tema que vamos falar será o "Switch" dos cumarínicos para os novos anticoagulantes orais e a ideia chave a transmitir, é que devemos tentar manter o nosso doente protegido, o máximo de tempo durante a transição e evitar o risco hemorrágico acrescido da sobreposição de duas terapêuticas.

Oradores
ÁREAS
barra
  • Antitrombóticos
  • Arritmias Cardíacas e Dispositivos Implantados
  • Fibrilação arterial
  • Cardiologia de intervenção
  • Doença coronária
  • Doença vascular cerebral
  • Doenças do Miocárido e Pericárdio
  • Diabetes
  • Economia e Saúde
  • Endocardite infecciosa
  • Hipertensão arteiral
  • Hipertensão pulmonar
  • Imagem em cardiologua
  • Insuficiência cardíaca
  • Risco cardiovascular
  • Síndrime coronária aguda
  • Terapêutica regenerativa
  • TVP e embolia pulmonar
  • Lípidos
Ir para a barra de ferramentas